Por que escolher uma muda clonal ou seminal?

A produção das mudas de mogno africano pode ser feita por processos distintos, resultando em mudas clonais ou seminais. Já explicamos aqui quais as diferenças na produção desses dois tipos de mudas. Neste texto, você vai entender as vantagens de cada tipo, para escolher o mais adequado para iniciar o seu plantio de mogno africano. 

Qual muda de mogno é mais barata?


O processo de produção da muda seminal é mais barato. Consequentemente, as
mudas seminais também costumam ter um valor mais baixo que as clonais, já que estas últimas requerem um processo mais complexo e caro para produção (seleção de matrizes para formação de jardim clonal, processo de estaqueamento, tempo de estufa, etc).

 

VÍDEO – Como identificar uma boa muda de mogno africano

 

Além de mais baratas, as mudas seminais podem ser um pouco mais resistentes nos primeiros dois anos de plantio, especialmente quando plantadas sem irrigação em áreas com baixo índice pluviométrico (chuva). 

Entretanto, na maioria das vezes, as sementes para a produção das mudas clonais são coletadas sem qualquer critério de seleção das árvores produtoras, com a coleta feita, indistintamente, das sementes caídas ao solo do plantio, sem que haja o conhecimento (controle algum de identificação) da planta que a produziu. Essa semente pode ter se originado das melhores ou das piores árvores do plantio. 

Além disso, é muito importante lembrar que cada semente vem sempre da combinação de duas árvores. Assim, mesmo que se conheça a planta mãe, não significa que as sementes carregarão as mesmas características genéticas daquela árvore. A “mãe” pode ser uma árvore modelo, mas o “pai” pode carregar defeitos graves que poderão se manifestar nas florestas plantadas com estas mudas seminais. 

Qual tipo de muda apresenta melhores resultados de crescimento?


Em termos de crescimento e incremento de madeira, inventários recentes têm demonstrado que as
mudas clonais têm proporcionado melhores resultados. Um recente inventário feito em um plantio em Minas Gerais comparou árvores seminais e clonais de 8 anos, plantadas na mesma época, e identificou um crescimento quase 22% superior das mudas clonais em termos de metros cúbicos de madeira por hectare. 

Comparando o diâmetro e a altura das árvores resultantes das mudas clonais e seminais, levantamentos demonstraram que as árvores clonais têm apresentado um ganho considerável na quantidade de madeira produzida para venda. Isso normalmente acontece nos clones devido à idade genética e processo de seleção das matrizes.

O melhor desenvolvimento de plantas clonais, em comparação às seminais, já foi atestado em estudos com várias espécies no Brasil. O mogno, apesar de ser uma cultura nova em nosso país, vem confirmando esta capacidade maior de desenvolvimento. Confira na íntegra como plantar uma muda de mogno africano.

 

comparativo de mudas clonais e seminais

Dados do inventário de 2019 da Fazenda Atlântica, que mostram a vantagem do clone em relação à muda de semente.


Resumindo: Mudas seminais podem ser mais baratas e apresentam maior resistência e rusticidade quando comparadas às mudas clonais, especialmente em regiões com baixo índice pluviométrico e sem sistema de irrigação. Já as mudas clonais apresentam maior incremento de madeira e, por serem um pouco mais sensíveis, devem merecer maior cuidado nos primeiros dois anos de plantio (inclusive quanto à necessidade de irrigação). 

Quais a principais diferenças entre as raízes de uma muda clonal e uma muda seminal?


As mudas oriundas de sementes possuem uma raiz principal, do tipo pivotante. Desta raiz principal é que se desenvolvem as raízes secundárias nas mudas seminais. Os clones, por não possuírem esta raiz pivotante, desenvolvem um sistema diferente, com mais raízes secundárias, proporcionando um maior volume radicular à planta.

Uma pergunta recorrente é a seguinte: a falta da raiz pivotante pode prejudicar a sustentação das árvores adultas de mogno e provocar tortuosidades e até mesmo o seu tombamento? 

 

A resposta é não! 

 

Tombamentos e tortuosidades ocorrem também em plantios de mudas seminais e são causados por vários fatores, como, por exemplo, ventos excessivos, conformação da árvore (copa grande e pesada para a estrutura), excesso ou falta de adubação e água, aspectos nutricionais da planta, qualidade e composição do solo, etc.   

Além disso, o mogno africano é uma árvore originária de solos pobres, que têm os nutrientes concentrados na porção superior. Suas raízes são capilarizadas e superficiais, não possuindo, mesmo em árvores adultas, raízes profundas no solo. 

 

A prova disto pode ser verificada neste registro de uma árvore de origem seminal, com mais de 20 anos, tombada nos jardins da Embrapa, no Pará, por causa de uma ventania. Veja, na foto abaixo, o tamanho do tronco desta árvore e a dimensão insignificante de sua raiz pivotante, que está sendo segurada na imagem

 

ávore seminal caida após ventania, com um grupo de homens ao lado

Árvore de origem seminal, com mais de 20 anos, tombada por ventania no Pará

Raiz mínima da árvore se contrasta com tamanho do seu tronco

Obviamente, esta raiz jamais conseguiria servir como sustentação de uma árvore que atinge, com facilidade, mais de 30 metros de altura na idade adulta. As raízes secundárias é que exercem o papel de sustentação do mogno.

VÍDEO: Entenda as diferenças entre mudas clonais e seminais na prática com a dra. Gracielle da Costa, pesquisadora do Viveiro Origem